O cineasta americano Darren Aronofsky será o presidente do júri da seção oficial da 68ª edição do Festival Internacional de Cinema de Veneza, que será realizada entre os dias 31 de agosto e 10 de setembro.

De acordo com o comunicado da organização, Aronofsky voltará a ser protagonista do evento cinematográfico italiano, depois ter aberto a competição do ano passado com o Leão de Ouro pelo seu filme Cisne Negro, com Natalie Portman.

A organização decidiu nomear Aronofsky presidente do júri da seção oficial após a proposta do diretor Marco Müller, ao considerá-lo “figura chave do cinema contemporâneo”, com uma obra em “contínuo diálogo com evolução e mutações nos diferentes linguagens artísticas”, explica a nota.

Segundo os responsáveis pelo Festival, Cisne Negro é um filme que soube “reunir a sensibilidade do cinema independente mais audaz, no qual Aronofsky se formou, e a do grande público”.

Após ganhar o Leão de Ouro em Veneza na edição de 2008 com seu filme O Lutador, o cineasta americano retornou no ano passado à competição oficial com Cisne Negro, filme que obteve o prêmio Marcello Mastroianni à atriz coadjuvante Mila Kunis.

A produção de Aronofsky, que a organização da Bienal de Veneza define como “um thriller psicológico ambientado no mundo da dança” e que narra a história de uma dançarina de balé em Nova York, rendeu um Oscar de Melhor Atriz para Natalie em fevereiro.

Filho de professores, Aronofsky estreou em 1998 com o filme Pi, pelo qual recebeu o prêmio de Melhor Diretor do Festival de Sundance e em 2006, dois anos antes de conquistar o Leão de Ouro, participou do Festival de Veneza com Fonte da Vida, protagonizado pelo australiano Hugh Jackman e a britânica Rachel Weisz. 

Sem mais artigos