Nem Hollywood segura o glamour o tempo inteiro. E seus astros e estrelas, quem diria, são humanos, como todos os mortais. Jamie Dornan, o galã do momento estrelando o blockbuster Cinquenta Tons de Cinza, deixou isso bem claro ao fazer uma revelação.

Em entrevista à revista Variety, o ator contou que passou pela “pior situação” ao vomitar ( !!! ) em plena audição para um filme em 2012. O filme era o musical Rock of Ages.

Os galãs mais sensuais e tórridos da história de Hollywood

O galã sensual cinematográfico do momento é Jamie Dornan, de Cinquenta Tons de Cinza. Relembre a seguir um verdadeiro who's who de astros sedutores de Hollywood em todos os tempos | Créditos: Divulgação
Astro de fitas como ...E o Vento Levou (1939), encarnou a figura do machão conquistador, mas dizem que tinha mau hálito | Créditos: Divulgação
Astro de filmes de aventura como Robin Hood (1937), ostentava uma beleza logo destruída pelo álcool. Dizem que era bissexual | Créditos: Divulgação
Porte de galã classudo, Cooper encarnou a figura do herói comum americano | Créditos: Divulgação
Uma variação de Gary Cooper, Grant tinha algo a mais: humor e charme blasé. Sua bissexualidade virou um fato bem conhecido | Créditos: Divulgação
Representava a figura do macho selvagem, meio marginal, principalmente em filmes como Férias de Amor (Picnic, 1955) | Créditos: Divulgação
Astro da Hollywood dos anos 50, foi o galã das comédias ingênuas com Doris Day. Em 1985, admitiu ser gay e ter HIV - que o levou à morte no mesmo ano | Créditos: Divulgação
Outro astro gay enrustido, Clift era o galã atormentado e introspectivo, dono de beleza também destruída cedo, por álcool, drogas e um acidente de carro | Créditos: Divulgação
O eterno bad boy, rebelde sem causa, morto aos 24 anos em desastre de carro após estrelar três filmes essenciais para a Hollywood dos 50 | Créditos: Divulgação
O ator do século XX. Além das inesquecíveis atuações, Brando tinha inesgotável sex appeal, tornando-se um ícone de beleza e sexo em filmes como Uma Rua Chamada Pecado (1951) | Créditos: Divulgação
O brucutu Heston se desnudou como o escravo (gay) de Ben-Hur (1959). Hoje o ator é um homem de direita que apoia as armas nos EUA | Créditos: Divulgação
Galã sensível, reinou nos anos 50 e 60 com seu charme insuperável. Fofocas sobre sua vida sexual sempre foram constantes, apesar do casamento com Joanne Woodward | Créditos: Divulgação
O galã francês que conquistou o mundo com filmes como O Sol por Testemunha (1958) e o italiano Rocco e Seus Irmãos (1960) | Créditos: Divulgação
O astro escocês consagrou-se ao viver James Bond em O Satânico Dr. No (1962), primeiro filme da série | Créditos: Divulgação
Connery virou símbolo sexual e precisou fazer muitos filmes nos anos 70 e 80 para ser respeitado como ator e não mais como homem objeto | Créditos: Divulgação
O maior conquistador de Hollywood, seduzindo nove entre dez estrelas do mercado. Dizem que tem o maior "dote" de Hollywood, e que "dava várias" seguidas | Créditos: Divulgação
A sedução loira de Redford abriu caminho para futuros astros como DiCaprio e Pitt | Créditos: Divulgação
Homem objeto assumido, Burt ousou ao posar nu para a revista feminina Cosmopolitan em 1973 | Créditos: Divulgação
O irresistível Bridges surgiu numa época em que a nudez masculina começava a aparecer nos filmes | Créditos: Divulgação
Nos anos 80, o galã estremeceu o povo em filmes como Paixões Violentas (1984, com Rachel Ward) | Créditos: Divulgação
Indiana Jones deu as cartas nos anos 80, e Ford tornou-se o protótipo do galã maduro e quarentão | Créditos: Divulgação
Deliciosamente provocante, Gere foi um dos primeiros a fazeer nu frontal em filmes | Créditos: Divulgação
O fenômeno ocorreu em Gigolô Americano (1980) e A Força do Amor (1983) | Créditos: Divulgação
Explodiu no fim dos 70, como herói da era disco em Os Embalos de Sábado à Noite (1977) | Créditos: Divulgação
Nos 80, manteve-se sedutor na era Flashdance, com Os Embalos de Sábado Continuam (1983) e Perfeição (1985) | Créditos: Divulgação
Quem diria, Gibson já foi legal e desejável. Foi nos anos 80, com direito a cenas de nudez em Máquina Mortífera 2 (1989) | Créditos: Divulgação
Galã juvenil dos 80, enlouqueceu garotas (e garotos) em filmes como Veia de Campeão (1986) | Créditos: Divulgação
Ícone da sedução 80's, Rourke esteve forte em O Selvagem da Motocicleta (1983), além de causar muito em 9 1/2 Semanas de Amor (1986) | Créditos: Divulgação
E ainda abusou em cenas de nudez, como em Francesco (1989), vivendo S. Francisco de Assis, antes da decadência nos 90 | Créditos: Divulgação
Nem é preciso apresentar este cidadão. Depois de Top Gun (1986), ninguém mais pôde destronar Tom Cruise | Créditos: Divulgação
Estourou em Dirty Dancing (1987), passando a ser desejado por todos. Morreu de câncer em 2009 | Créditos: Divulgação
O espanhol aconteceu na Hollywood dos anos 90, tornando-se o latin lover para exportação oficial do cinema | Créditos: Divulgação
Loiro herdeiro de Robert Redford, manteve-se na crista da onda apostando em filmes ousados e em seu trabalho como produtor | Créditos: Divulgação
Não sem antes mostrar o corpo em Lendas da Paixão (1994) | Créditos: Divulgação
De ator juvenil a astro mundial com Titanic (1998), DiCaprio evoluiu para se tornar um dos principais atores da Hollywood atual | Créditos: Divulgação
O eterno Wolverine vem mostrando que pode ser muito mais do que apenas um ser mutante | Créditos: Divulgação
Agora oscarizado, o ator sempre destilou sensualidade, encarando até cenas ousadas como em Killer Joe (2013) | Créditos: Divulgação
Ex-astro mirim da Disney, Efron cresceu e virou um ator interessante e um homem desejável | Créditos: Divulgação
Por trás da embalagem de americano coxinha, um ator com certa sensualidade | Créditos: Divulgação
Chocou o mundo com suas cenas de nudez e sexo em Shame (2012) | Créditos: Divulgação
Mais um galã ideal para o mercado de Hollywood | Créditos: Divulgação
Para encerrar, Channing Tatum - um homem objeto que vem surpreendendo, mostrando que corpos também podem ter cérebro. Às vezes. | Créditos: Divulgação

Na audição, Dornan tinha de cantar a música Waiting for a Girl Like You. “É quase impossível cantar isso, e eu tenho uma voz grave quando canto. Meu teste era às dez da manhã, na Warner”, contou Dornan. “Eu achei que seria uma boa ideia beber um pouco de uísque para relaxar minhas cordas vocais”, continuou o astro. “Tomei uma dose de Jameson e vomitei imediatamente”.

Os filmes mais fetichistas de todos os tempos

A História de O é um conhecido livro francês publicado em 1954, que virou filme em 1975, gerando uma continuação em 1984 | Créditos: Reprodução
A obra narra as aventuras de O, mulher que se torna escrava de René em um castelo francês. Aos poucos ela vira escrava de outros, incluindo seu novo mestre, Sr. Stefan | Créditos: Reprodução
O chega a ser marcada a ferro quente com as iniciais do Sr. Stefan (alguém lembrou do Sr. Grey de 50 Tons?), e se submete a várias práticas sadomasoquistas. Como se vê, o tema de 50 Tons não é mesmo nenhuma novidade... | Créditos: Reprodução
O filme italiano O Porteiro da Noite, de 1974, causou muita polêmica por misturar sexo com nazismo: 13 anos depois da 2ª Guerra, uma mulher que viveu em um campo de concentração reencontra seu torturador, um ex-oficial nazista | Créditos: Reprodução
Hoje porteiro de um hotel, o ex-oficial se envolve em uma relação SM com a tal mulher, vivida pela sempre elegante Charlotte Rampling | Créditos: Reprodução
O Império dos Sentidos (1976), do diretor japonês Nagisa Oshima, marcou a década de 70 com a intensa relação entre uma ex-prostituta e seu chefe. O final é antológico | Créditos: Reprodução
Outra polêmica dos anos 70: o italiano O Último Tango em Paris (1972), de Bernardo Bertolucci, com Marlon Brando e Maria Schneider vivendo uma relação de sexo casual em um apartamento vazio | Créditos: Reprodução
O ex-símbolo sexual Brando, na época com quase 50 anos, protagoniza várias cenas surpreendentes ligadas a fetiches sexuais | Créditos: Reprodução
Culminando com a famosa cena em que ele usa manteiga para facilitar o sexo anal com a jovem amante | Créditos: Reprodução
Uma variação brasileira do Último Tango é o filme Eu Te Amo, de Arnaldo Jabor, de 1980. Ali, também um casal de desconhecidos (Paulo César Pereio e Sonia Braga) vive uma tempestuosa relação sexual, trancados num apartamento | Créditos: Reprodução
Com diversas cenas eróticas e muitas "brincadeiras" sexuais, o filme ajudou a catapultar a carreira de Sonia Braga nos EUA | Créditos: Reprodução
Eu Te Amo, por sua vez, influenciou o diretor Adrian Lyne na criação de 9 1/2 Semanas de Amor (1986), com Mickey Rourke e Kim Basinger vivendo também um relacionamento fetichista num apê | Créditos: Reprodução
Com direito a strip tease provocante de Kim Basinger, devidamente assistido por Rourke | Créditos: Reprodução
Além da famosa sequência em que ele introduz alimentos na boca dela; uma cena bastante copiada depois | Créditos: Reprodução
Voltando à Sonia Braga, a atriz também protagonizou outro clássico fetichista: A Dama do Lotação (1978), baseado em Nelson Rodrigues, vivendo a mulher casada que só transa com homens estranhos em locais insólitos, como cemitério, matagal, ônibus... | Créditos: Reprodução
Outra esposa insatisfeita: Catherine Deneuve em A Bela da Tarde (1967), de Buñuel. Ela vira prostituta num bordel durante as tardes, além de ter sonhos eróticos surrealistas | Créditos: Reprodução
As sequências dos sonhos da personagem envolvem fetiches e referências oníricas que até hoje encucam o público | Créditos: Reprodução
Mais uma esposa que resolve se entregar ao sexo desenfreado: a protagonista (Francesca Neri) de As Idades de Lulu (1990), do espanhol Bigas Luna | Créditos: Reprodução
Nos anos 90, as mulheres fetichistas do cinema deixaram de ser esposas: viraram mulheres livres, autônomas e perigosas, como Madonna em Corpo em Evidência (1992) | Créditos: Reprodução
Com a famosa sequência em que tortura Willem Dafoe com cera quente, entre outras traquinagens | Créditos: Reprodução
Ou ainda outra loira, Sharon Stone, em Instinto Selvagem (1992), com a cruzada de pernas mais famosa do planeta | Créditos: Reprodução
O filme trazia ainda outro "fetiche" para o público masculino heterossexual: as "lesbian chics", um ícone dos anos 90 | Créditos: Reprodução
Falando no universo gay, temos Parceiros da Noite (1980), onde Al Pacino é um detetive que penetra em um bar gay SM para investigar um serial killer que mata homossexuais | Créditos: Reprodução
O argentino Um Ano Sem Amor (2005) mostra um escritor soropositivo que se entrega a práticas fetichistas, como escravo | Créditos: Reprodução
A jornada do personagem por clubes sexuais de Buenos Aires desemboca em uma relação com um dominador todo trabalhado no couro | Créditos: Reprodução
Nicolas Cage e Joaquim Phoenix investigam crimes cometidos nos bastidores dos snuff movies - filmes pornôs onde mortes reais acontecem. Foi em 8MM (1999), de Joel Schumacher | Créditos: Reprodução
Mas em termos de fetiches inusitados, talvez o prêmio vá para David Cronenberg com Crash Estranhos Prazeres (1996), onde os personagens transam em meio a acidentes de carro | Créditos: Reprodução
Hospital, ferragens, ferimentos, tudo ligado a desastres automobilísticos é o fetiche dos protagonistas dessa bizarra trama | Créditos: Reprodução
Mais recentemente, Lars Von Trier veio com seu épico SM Ninfomaníaca, com Charlotte Gainsbourgh se entregando aos fetiches | Créditos: Reprodução
Incluindo seu mestre, o sinistro personagem vivido por Jamie Oliver | Créditos: Reprodução
Além de muito sexo grupal, violência sexual, compulsões, torturas, chantagens... | Créditos: Reprodução
Porém vai ser difícil alguém superar Pier Paolo Pasolini com seu Saló - 120 Dias de Sodoma (1976), filme derradeiro do diretor italiano, assassinado logo depois | Créditos: Reprodução
O filme foi baseado na obra do pai do SM (ou pelo menos do S), o Marquês de Sade - seu nome originou os termos sádico, sadismo. Na adaptação da história, um grupo de adolescentes é sequestrado por burgueses italianos, para servirem como escravos sexuais em plena 2ª Guerra | Créditos: Reprodução
O que se segue é um impressionante, revoltante e repugnante desfile de taras e fetiches que vão do estupro à mutilação, passando por escatologia e chegando em assassinato. Mas a grande cartada de Pasolini é utilizar a trama para criticar a política italiana. Há quem diga que a ousadia do filme provocou o assassinato do cineasta | Créditos: Reprodução
Agora é com você, Sr. Grey! Faça sua parte... | Créditos: Reprodução

Tem mais: “Então lá estava eu vomitando no pátio, e os executivos passando em seus carrinhos de golfe. Foi uma péssima visão. Não fui esperto o suficiente para levar um desodorante bucal. E aí entrei, fedendo a uísque e vômito e tentando cantar, e sem conseguir. Obviamente, nunca tive retorno desse teste!”, concluiu Jamie.

O teste do ator não está disponível na internet. Mas dá para imaginar ele cantando a citada canção:

Astro de "Cinquenta Tons de Cinza" vomitou em plena audição

Sem mais artigos
Sair da versão mobile