Apesar do sucesso mundial nas bilheterias, nem todo mundo está curtindo a febre Cinquenta Tons de Cinza. As atrizes pornôs Nadia Styles, Nina Elle e Mercedes Carrera, por exemplo, são contra o filme. E decidiram contar isso para o mundo.

As três gravaram um vídeo e colocaram no YouTube (com a ajuda do clã humorístico Funny or Die), onde surgem completamente nuas, criticando a obra baseada no livro best seller.

No vídeo, elas elencam cinco motivos pelos quais você NÃO DEVE ir ao cinema assistir à Cinquenta Tons de Cinza. O valor do ingresso, o fato do filme não mostrar nenhum pênis, o fato de os atores fingirem relações sexuais, entre outros motivos, são citados pelas moçoilas.

“Por que você gastaria 15 dólares para ver sexo simulado? Você pode colocar meu nome no Google e me ver fazendo tudo o que eles fingem fazer, e de graça”, diz uma das divas. “E com melhores diálogos!”, acrescenta outra.

Por fim, elas incentivam: “Assista pornô! Assista pornô! Apenas assista pornô!” E no final elas defendem Boyhood, dizendo que o filme é a história de “todos nós”. Veja o vídeo das desinibidas:

Os filmes mais fetichistas de todos os tempos

A História de O é um conhecido livro francês publicado em 1954, que virou filme em 1975, gerando uma continuação em 1984
A obra narra as aventuras de O, mulher que se torna escrava de René em um castelo francês. Aos poucos ela vira escrava de outros, incluindo seu novo mestre, Sr. Stefan
O chega a ser marcada a ferro quente com as iniciais do Sr. Stefan (alguém lembrou do Sr. Grey de 50 Tons?), e se submete a várias práticas sadomasoquistas. Como se vê, o tema de 50 Tons não é mesmo nenhuma novidade...
O filme italiano O Porteiro da Noite, de 1974, causou muita polêmica por misturar sexo com nazismo: 13 anos depois da 2ª Guerra, uma mulher que viveu em um campo de concentração reencontra seu torturador, um ex-oficial nazista
Hoje porteiro de um hotel, o ex-oficial se envolve em uma relação SM com a tal mulher, vivida pela sempre elegante Charlotte Rampling
O Império dos Sentidos (1976), do diretor japonês Nagisa Oshima, marcou a década de 70 com a intensa relação entre uma ex-prostituta e seu chefe. O final é antológico
Outra polêmica dos anos 70: o italiano O Último Tango em Paris (1972), de Bernardo Bertolucci, com Marlon Brando e Maria Schneider vivendo uma relação de sexo casual em um apartamento vazio
O ex-símbolo sexual Brando, na época com quase 50 anos, protagoniza várias cenas surpreendentes ligadas a fetiches sexuais
Culminando com a famosa cena em que ele usa manteiga para facilitar o sexo anal com a jovem amante
Uma variação brasileira do Último Tango é o filme Eu Te Amo, de Arnaldo Jabor, de 1980. Ali, também um casal de desconhecidos (Paulo César Pereio e Sonia Braga) vive uma tempestuosa relação sexual, trancados num apartamento
Com diversas cenas eróticas e muitas
Eu Te Amo, por sua vez, influenciou o diretor Adrian Lyne na criação de 9 1/2 Semanas de Amor (1986), com Mickey Rourke e Kim Basinger vivendo também um relacionamento fetichista num apê
Com direito a strip tease provocante de Kim Basinger, devidamente assistido por Rourke
Além da famosa sequência em que ele introduz alimentos na boca dela; uma cena bastante copiada depois
Voltando à Sonia Braga, a atriz também protagonizou outro clássico fetichista: A Dama do Lotação (1978), baseado em Nelson Rodrigues, vivendo a mulher casada que só transa com homens estranhos em locais insólitos, como cemitério, matagal, ônibus...
Outra esposa insatisfeita: Catherine Deneuve em A Bela da Tarde (1967), de Buñuel. Ela vira prostituta num bordel durante as tardes, além de ter sonhos eróticos surrealistas
As sequências dos sonhos da personagem envolvem fetiches e referências oníricas que até hoje encucam o público
Mais uma esposa que resolve se entregar ao sexo desenfreado: a protagonista (Francesca Neri) de As Idades de Lulu (1990), do espanhol Bigas Luna
Nos anos 90, as mulheres fetichistas do cinema deixaram de ser esposas: viraram mulheres livres, autônomas e perigosas, como Madonna em Corpo em Evidência (1992)
Com a famosa sequência em que tortura Willem Dafoe com cera quente, entre outras traquinagens
Ou ainda outra loira, Sharon Stone, em Instinto Selvagem (1992), com a cruzada de pernas mais famosa do planeta
O filme trazia ainda outro
Falando no universo gay, temos Parceiros da Noite (1980), onde Al Pacino é um detetive que penetra em um bar gay SM para investigar um serial killer que mata homossexuais
O argentino Um Ano Sem Amor (2005) mostra um escritor soropositivo que se entrega a práticas fetichistas, como escravo
A jornada do personagem por clubes sexuais de Buenos Aires desemboca em uma relação com um dominador todo trabalhado no couro
Nicolas Cage e Joaquim Phoenix investigam crimes cometidos nos bastidores dos snuff movies - filmes pornôs onde mortes reais acontecem. Foi em 8MM (1999), de Joel Schumacher
Mas em termos de fetiches inusitados, talvez o prêmio vá para David Cronenberg com Crash Estranhos Prazeres (1996), onde os personagens transam em meio a acidentes de carro
Hospital, ferragens, ferimentos, tudo ligado a desastres automobilísticos é o fetiche dos protagonistas dessa bizarra trama
Mais recentemente, Lars Von Trier veio com seu épico SM Ninfomaníaca, com Charlotte Gainsbourgh se entregando aos fetiches
Incluindo seu mestre, o sinistro personagem vivido por Jamie Oliver
Além de muito sexo grupal, violência sexual, compulsões, torturas, chantagens...
Porém vai ser difícil alguém superar Pier Paolo Pasolini com seu Saló - 120 Dias de Sodoma (1976), filme derradeiro do diretor italiano, assassinado logo depois
O filme foi baseado na obra do pai do SM (ou pelo menos do S), o Marquês de Sade - seu nome originou os termos sádico, sadismo. Na adaptação da história, um grupo de adolescentes é sequestrado por burgueses italianos, para servirem como escravos sexuais em plena 2ª Guerra
O que se segue é um impressionante, revoltante e repugnante desfile de taras e fetiches que vão do estupro à mutilação, passando por escatologia e chegando em assassinato. Mas a grande cartada de Pasolini é utilizar a trama para criticar a política italiana. Há quem diga que a ousadia do filme provocou o assassinato do cineasta
Agora é com você, Sr. Grey! Faça sua parte...

Atrizes pornôs criticam "50 Tons de Cinza" em vídeo na internet

Sem mais artigos