O presidente da Venezuela, Hugo Chávez, propôs nesta terça-feira (13) a realização de um filme sobre o fracassado golpe de Estado que liderou no dia 4 de fevereiro de 1992 para “não esquecer” o que, no seu entender, é parte da origem de seu Governo.

“Talvez não seja eu o mais indicado para dizê-lo, por ter sido um dos soldados dessa jornada, mas nós não podemos permitir que essa data, que esses fatos históricos passem assim quase despercebidos”, disse Chávez durante o ato de lançamento de um programa social para idosos.

Poucos meses antes do aniversário de 20 anos do golpe contra o então presidente, Carlos Andrés Pérez, Chávez lamentou que não exista um filme sobre esses fatos, além de um filme de 1998, Amaneció de Golpe, do cineasta venezuelano Carlos Azpúrua.

“Deveríamos relançar esse filme e fazer outro, um documentário, para não esquecer, não podemos esquecer”, ressaltou.

O presidente disse que o golpe fracassado de 1992 dividiu em duas a história da Venezuela. “Sem a rebelião da juventude militar do dia 4 de fevereiro de 1992, eu não estaria aqui. Eu seria talvez um coronel aposentado em Barinas (sua cidade natal), com quatro vacas em um sítio”, considerou.

Azpúrua, presente no ato, aceitou a proposta do presidente e disse que tentará realizar uma mistura de documentário e ficção que esteja pronto para o 20º aniversário no ano que vem.

Como tenente-coronel do Exército, Chávez liderou em 1992 uma tentativa contra Pérez.

Foi durante seu Governo que aconteceu o “Caracaço”, que explodiu no dia 27 de fevereiro de 1989 e se estendeu durante três dias com uma onda de saques em Caracas e outras cidades venezuelanas, que foi sufocada a tiros pelo Exército e pela Polícia, o que causou entre 300 e três mil mortes, segundo as versões oficiais e da imprensa da época. 

Chávez propõe filme sobre golpe fracassado que liderou em 1992

Sem mais artigos