Fotos de Hoje, filme de Tata Amaral com Denise Fraga

| Créditos: Jacob Solitrenick
| Créditos: Ding Musa
| Créditos: Jacob Solitrenick
| Créditos: Jacob Solitrenick
| Créditos: Jacob Solitrenick
| Créditos: Ding Musa
| Créditos: Ding Musa
| Créditos: Ding Musa
| Créditos: Ding Musa
| Créditos: Ding Musa
| Créditos: Ding Musa
| Créditos: Ding Musa
Vera (Denise Fraga) no longa Hoje, dirigido por Tata Amaral | Créditos: Ding Musa

Hoje, filme de Tata Amaral que estreia na próxima sexta-feira (19), coloca no divã, de forma delicada mas contundente, a violenta experiência da ditadura militar no Brasil. Denise Fraga vive a protagonista Vera, uma ex-militante de esquerda que, assombrada por traumas e perdas do passado, tenta exorcizar suas lembranças para tocar a vida adiante no fim dos anos 90. A personagem foi, de acordo com a atriz, o papel mais difícil de sua carreira.

“Vera foi o papel mais complexo que já representei, porque ela tem muitas camadas. Ela tem coisas de que quer se lembrar e coisas que quer esquecer. Ela sente amor e ódio. Tudo para ela é muito ambíguo”, explicou a artista, em um evento de promoção do filme realizado em São Paulo, na segunda-feira (14).

O longa é baseado no livro Prova Contrária, de Fernando Bonassi. O enredo acompanha Vera realizando a mudança para seu primeiro apartamento próprio, adquirido com a indenização do governo pelo desaparecimento de seu marido, Luiz (vivido pelo uruguaio Cesar Troncoso), vítima da repressão. Em meio a caixas e móveis desmontados, a protagonista reencontra o companheiro, com quem, por meio de diálogos intensos e confessionais, toca nas feridas abertas do passado.

“É uma história íntima. Não é apenas uma história sobre a ditadura. Não é só uma história de amor. O filme aborda os múltiplos sentimentos de uma pessoa que se encontra em um estado de suspensão, como a Vera”, disse a atriz. “Existem muita histórias íntimas sobre a ditadura, e abordá-las é uma questão de tomar posse de sua própria história, sem deixar lacunas. Você tem de se debruçar sobre seus traumas para superá-los”, opinou Denise.

A diretora Tata Amaral assinalou a importância do resgate de histórias dos anos de chumbo como meio de apontar caminhos mais humanos para o futuro. “A sociedade que não discute a questão da tortura é uma sociedade que aceita a tortura. Hoje, temos uma pujança econômica no Brasil, vivemos em uma democracia e ainda não discutimos isso. O problema é reproduzirmos o erro. Nesse momento, a tortura deve estar acontecendo em algum cárcere brasileiro”, argumentou.

Quase toda a ação de Hoje transcorre dentro do apartamento de Vera. O elenco é pequeno, com apenas quatro atores além de Denise e Cesar. Para representar o conflituoso universo psicológico da protagonista, Tata Amaral utilizou, como um dos recursos, a projeção de imagens e textos em paredes e superfícies de diferentes cômodos da casa. Apesar da estrutura enxuta, a diretora rejeita o adjetivo “teatral” para descrever seu filme.

“O que eu busquei foi encontrar uma expressão para uma percepção minha, de que o passado e as emoções da Vera e do Luiz, nesse filme, têm o mesmo status de coisa concreta que, por exemplo, as caixas e os carregadores da mudança. O que era importante nas projeções é que elas fossem tão concretas quanto a outra camada narrativa”, explicou. “A ideia é que isso que está na caixa preta [do passado dos personagens] ainda é muito presente e muito vivo”, argumentou.

 

Assista ao trailer de Hoje:
Trailer de Hoje

Denise Fraga, sobre papel no filme Hoje: 'Foi o mais complexo que já representei'

Sem mais artigos
Sair da versão mobile