Renato Aragão e Dedé Santana prestaram homenagens ao amigo Mussum nesta terça-feira (29), data em que a morte do humorista completa 20 anos.

“É muita saudade”, disse Renato, o Didi, em depoimento no programa Encontro com Fátima Bernardes, da TV Globo, que recebeu os três filhos de Mussum. “No começo foi um pouco preocupante porque ele não era comediante, era músico. Fui dando poucas falas para ele. E ele foi fazendo e pronto! Mussum criava uns bordões terminados em ‘s’, que foram seu grande truque”, relembrou Didi.

Mussum morreu em 1994, vítima de complicações após o transplante de coração. Ele fazia parte dos Trapalhões, grupo cômico que entrou para a memória da TV brasileira e ficou no ar entre 1977 e 1993. Três anos antes de sua morte, o grupo perdeu Zacarias, vítima de uma infecção nos pulmões.

Dedé, que deu a casa em que Mussum morou até a sua morte em Jacarépagua, no Rio de Janeiro, se emocionou ao falar do amigo. “Ele era muito engraçado pessoalmente. Saía correndo e me mijava de rir. Colocava apelido nas pessoas, dava nome às coisas. Era um comediante nato. Mussum fazia piada dentro e fora do tempo, e ficava engraçado de qualquer jeito”, disse.

“Por mais que eu dissesse que ele já era um bom comediante, Mussum achava que faltava alguma coisa. Era muito rígido. Aprendi com ele a cumprir horário”, elogiou em entrevista ao jornal Extra. O mesmo sentimento é ecoado por Didi, que elogiou o profissionalismo do comediante e músico do grupo Os Originais do Samba. “Mussum era um profissional seriíssimo e um grande amigo. O companheirismo, a amizade e a presença marcante de um grande profissional fazem falta”, conta.

“Minha primeira impressão é a que todos tinham dele: uma pessoa de bem com a vida, alegre, amiga”, garante.

Já no programa de TV, mandou um recado para o amigo: “Amigo, Mussum, sei que você está me ouvindo. A morte vem e um dia leva a gente. Mas o amor que eu tenho por você, a morte não vai levar”.

 

Sem mais artigos