A família de Amy Winehouse criticou publicamente o documentário Amy, que será lançado no Festival de Cinema de Cannes em maio. Os parentes da cantora inglesa, que assistiram ao filme, disseram se tratar de uma narrativa “desequilibrada” e “enganosa”.

Os familiares de Amy — que morreu em julho de 2011 em decorrência de envenenamento por álcool — inicialmente apoiaram o diretor Asif Kapadia, mas agora querem se dissociar da produção e deixar claro que discordam de vários pontos de vista do filme. Disse o comunicado divulgado por eles.

“Eles sentem [a família] que o filme é uma oportunidade perdida de celebrar sua vida e talento, que é enganoso e contém algumas inverdades básicas …. Há alegações específicas, feitas contra a família e empresariado, que são infundadas e desequilibradas.”

Em entrevista ao jornal The Sun, o pai da cantora, Mitch Winehouse, afirmou que o filme não demonstra os esforços da família para ajudá-la ou o papel nocivo de seu ex-marido, Blake Fielder-Civil, na vida de Amy. “Eu me senti mal quando o assisti pela primeira vez. Amy ficaria furiosa. Isso não é o que ela queria”, declarou.

Além disso, os parentes acreditam que o doc dá a entender que Mitch quis se aproveitar financeiramente da filha, forçando-a a subir nos palcos. Por esse motivo, a família declarou que considera a possibilidade de processar os realizadores do filme.

Em resposta a isso, um porta-voz do longa disse à People: “Viemos a bordo com o total apoio da família Winehouse e abordamos o projeto com total objetividade. Conduzimos na ordem de 100 entrevistas com pessoas que conheciam Amy: amigos, familiares, ex-companheiros e membros da indústria da música, que trabalharam com ela. A história que o filme conta é um reflexo de nossos resultados nessas entrevistas”.

Assista ao teaser do documentário Amy, que estreia em julho nos cinemas ingleses.

 

Sem mais artigos