Amanhecer – Parte 2, o último filme da Saga Crepúsculo, agradou os fãs da série que estiveram presentes na pré-estreia do filme em São Paulo, na noite de quarta-feira (14). Apesar de o longa ser baseado no livro de Stephenie Meyer, os fãs acreditam que ele foi capaz de surpreender quem já leu o romance, por meio de uma virada na história original e uma pitada a mais ação (veja os depoimentos na galeria de fotos acima).

“Eles pensaram em como deixar as pessoas que já leram o livro sem saber o que iria acontecer. Em determinado momento do filme, eu já havia desistido de saber quem iria morrer e o que iria acontecer”, disse Lily Marques, 20 anos, uma das 20 integrantes do fã-clube Twilight Universe que estiveram presentes na primeira exibição brasileira do filme.

Para Amanhecer – Parte 2, há, basicamente, quatro itens pelos quais os fãs de Crepúsculo morrem de ansiedade para ver. São eles:  1-) As habilidades de Bella (Kristen Stewart) como recém-transformada em vampira; 2-) A cena de sexo vampiresco entre Edward (Robert Pattinson) e Bella; 3-) A atriz-mirim Mackenzie Foy como Renesmee, filha de Edward e Bella e 4-) A batalha dos Cullen, vampiros do bem, contra os sinistros vampiros do clã Volturi.

A transformação de Bella rendeu uma bela sequência, bastante sensorial, logo no início do filme, que mostra a nova forma com que ela vê e sente o mundo. As demonstrações de força da protagonista, como o braço de ferro com Emmett Cullen (Kellan Lutz), também devem agradar os fãs.

A esperada cena de sexo entre Edward e Bella, agora transformada em vampira, por sua vez, dura pouco e pode frustrar expectativas. Vale lembrar que o próprio Robert Pattinson classificou a gravação da cena como uma situação “ridícula”, em razão da ênfase nas expressões faciais que o diretor Bill Condon insistiu em colocar.

Mackenzie Foy como Renesmee tem poucas falas, mas atua de forma convincente como uma pequena adulta. Ponto negativo para a Renesmee bebê, que, por conta dos efeitos especiais, tornou-se uma criaturinha mais sinistra do que fofa.

A batalha contra os Volturi, por sua vez, é épica até para o mais transtornado fã de Apocalypse Now. Afinal, dá gosto de assistir aos Cullen, o aristocrático clã de doces vampiros, aliados a uma horda de lobos e outros sugadores de sangue, lutando de forma violenta, sádica, draculesca contra outra família de vampiros três vezes mais fora da casinha. A cena de batalha na neve é, simplesmente, deliciosa. Vale o ingresso.

O grande problema, no entanto, é que a fidelidade do longa ao livro de Stephenie Meyer, em determinado momento, funciona como uma paralisante ducha de água fria para os que não conhecem tão bem a Saga Crepúsculo (aqueles que não passaram da metade do primeiro livro hão de entender o problema imediatamente, ao assistir ao filme).

Amanhecer – Parte 2, que estreia nesta quinta-feira (15), por fim, deixa algumas questões em aberto e dá pano para manga para possíveis novos filmes sobre o universo vampiresco de Stephenie Meyer, caso a autora resolva continuar escrevendo histórias sobre ele.

Sem mais artigos