O lado pop de Cannes 2011

O casal de popstars Angelina Jolie e Brad Pitt em Cannes

O Festival de Cannes 2011 está mais pop do que nunca, uma mudança de estilo que transparece nos filmes escolhidos para fazerem sua estreia lá. É o caso de Piratas do Caribe 4, a aventura dirigida por Rob Marshall e estrelada por Penélope Cruz e Johnny Depp.

Ao abrir espaço para a aventura do capitão Jack Sparrow (Depp), o festival de Cannes ganha uma injeção de jovialidade e deixa um pouco de lado sua tradição de festival de filmes difíceis, cerebrais. A descontração foi visível até durante a entrevista coletiva em que Penélope Cruz e Johnny Depp se desmancharam em elogios um ao outro, pedindo mais chances de contracenar juntos. 

O mesmo efeito pop se deu com o lançamento de A Árvore da Vida, filme em que Terrence Malick coloca o superstar Brad Pitt no papel de um pai severo. A ida de Pitt e Angelina Jolie para Cannes fez a alegria dos fotógrafos com a aparição do casal na última segunda-feira. Ele, aplaudidíssimo pela imprensa pela manhã, à noite deu um show a paparazzi no tapete vermelho ao lado dela.

A popularidade de Angelina Jolie já havia sido confirmada na semana passada, quando a mulher de Pitt aproveitou a viagem à Riviera francesa para divulgar a animação Kung Fu Panda 2, em que dubla novamente a personagem da tigresa.

Esse ar mais leve em Cannes se repetiu mesmo quando um diretor “cool” como Woody Allen entrou em cena: para Midnight in Paris, o diretor norte-americano levou para o elenco a primeira-dama francesa – e cantora pop – Carla Bruni e resgatou para um filme “sério” o ator norte-americano Owen Wilson, mais comumente visto em pastelões.

O que dizer então do zum-zum-zum causado por Mel Gibson, que mais é visto nos tablóides por causa de seus problemas com bebidas e declarações polêmicas? Nesta terça-feira, o ator apareceu sóbrio e elegante para divulgar com Jodie Foster Um Novo Despertar.

Das duas, uma: ou os organizadores de Cannes estão ficando com a cabeça menos fechada ou a garotada está aprendendo a conhecer diretores mais cult, como Allen – nem que seja apenas para ver atores divertidos, como Owen Wilson.

Festival de Cannes 2011 mostra que também consegue ser pop

Sem mais artigos