Em 1990, estreava o Festival Internacional de Curtas Metragens de São Paulo. O evento anual viria a se tornar o principal do gênero no Brasil, e foco de resistência do cinema brasileiro durante a década de 90 – tempos em que, para quem não se lembra, o cinema nacional quase morreu.

Com a retomada da produção e o sucesso de Carlota Joaquina, Princesa do Brazil (1994, de Carla Camurati), o cinema do país renasceu e a segunda metade dos 90 assistiu à ressurreição da produtividade. O Festival de Curtas teve papel importante nesse processo, mantendo acesa a chama do curta-metragem – que continua sendo o terreno para os realizadores iniciarem suas aventuras no cinema.

Agora, o Festival chega à sua 25ª edição, que acontece de 20 a 31 de agosto. São 12 dias com diversos programas, alguns mesclando curtas nacionais e estrangeiros.

A Mostra Brasil traz 50 filmes, o Panorama Paulista apresenta 30 produções de diversas cidades do estado de São Paulo, o Cinema em Curso mostra 19 curtas realizados por estudantes de audiovisual. No total são cerca de 400 filmes de vários países.

Um grande destaque desta edição é o programa 100 Anos de Cortázar, em homenagem ao cultuado escritor argentino Julio Cortázar (1914-1984). Neste programa, os filmes selecionados se inspiram na obra literária do escritor.

A programação completa está no site da Kinoforum.

Sem mais artigos