Marcos encurralou Emilly na cozinha

TV Globo/Reprodução Marcos encurralou Emilly na cozinha

A omissão da produção do Big Brother Brasil 17 no caso de violência entre Marcos e Emilly no último fim de semana fez nascer uma campanha da Rede Globo, que chegou até a ser elogiada por sua postura contra a acusação de assédio envolvendo José Mayer no dia 31 de março.

Marcos encurralou Emilly na cozinha do BBB 17 durante uma briga na noite de sábado (8) para domingo (9). Ele encostou seu nariz no dela enquanto gritava, apertou o dedo indicador em riste contra sua boca e, em outro momento, chegou a usar a força física para agarrar o braço da gaúcha, que reclamou de dores.

Nenhuma punição, porém, foi dada ao Marcos pela produção. “O BBB é um jogo, é um programa de entretenimento que espelha a vida real. O que nós vimos hoje acontece no mundo real, porém sem as câmeras. Uma discussão como a que aconteceu hoje pode levar a uma agressão física. E isso não é admissível nem no programa nem na vida real. O Big Brother tá preparado para interferir e proteger os participantes. Mesmo assim, hoje, no início da noite, conversamos separadamente com Emilly e Marcos. Dissemos a eles que o comportamento do casal nos preocupa. E preocupa vocês. Conversamos primeiro com Marcos, que foi alertado sobre o seu comportamento e sobre as regras do programa. Depois, a gente falou com a Emilly e reforçou o que é óbvio: ela pode e deve procurar a produção do programa a qualquer momento”, disse Tiago Leifert logo após a exibição das cenas.

A atitude de Leifert e dos diretores em não punir Marcos e ainda dividir a culpa da ocorrência entre o casal rendeu críticas na web. Internautas subiram a hashtag #GloboApoiaViolência, que está no topo dos trending topics do Twitter desde a manhã desta segunda-feira (10).

Sem mais artigos