O ator e diretor Caco Ciocler enfrentou um desafio e tanto para completar seu primeiro longa-metragem como diretor, o filme Esse Viver Ninguém Me Tira, que narra a vida de Aracy de Carvalho Guimarães Rosa, mulher do escritor imortal Guimarães Rosa.

Em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo, Caco revelou que as herdeiras de Guimarães Rosa não permitiram que o autor de Grande Serão: Veredas fosse citado no filme, ainda que o clássico da literatura brasileira seja dedicado a Aracy. “Não podíamos falar sobre a relação dela com o Guimarães Rosa, por causa de direitos autorais. As herdeiras dele não permitem”, revelou.

Conhecida como O Anjo de Hamburgo, Aracy foi responsável por salvar a vida de judeus que tentavam fugir da Alemanha e entrar ilegalmente no Brasil durante a 2ª Guerra Mundial. Ela era chefe da seção de passaportes no consulado brasileiro de Hamburgo, e, contrariando a determinação do presidente Getúlio Vargas de 1938, concedia a entrada de judeus no Brasil. Foi lá que conheceu o futuro marido, então cônsul-adjunto.

“Existe pouca documentação relativa a esse episódio da vida dela, até porque a Aracy não imaginou que estivesse realizando um gesto heroico”, explica o diretor. “Ela morreu com Alzheimer, sempre foi relegada à sombra do marido”, lamenta.

O filme contou ainda com gravações em Israel, onde o nome de Aracy consta no Jardim dos Justos entre as Nações, no Museu do Holocausto. Caco também rodou na Austrália, onde descobriu que Aracy foi responsável por salvar a vida da mãe de um amigo seu, do Rio. “Existe uma senhora lá chamada Marion Aracy, que tem esse nome porque a Aracy salvou os pais dela durante a Segunda Guerra. Lá descobri que ela é mãe de um dos meus melhores amigos de infância”, explica.

Sem mais artigos