Aconteceu na noite de segunda (13) no MIS – Museu da Imagem e do Som – de São Paulo um seminário sobre os primórdios da televisão brasileira, focado na extinta TV Excelsior.

O evento contou com as presenças de Vida Alves (atriz que deu o primeiro beijo numa novela brasileira, em Sua Vida me Pertence, de 1951), Álvaro de Moya (um dos principais produtores e diretores da Excelsior) e do pesquisador Elmo Francfort, além de Julio Cesar Fernandes, autor do livro A Memória Televisiva como Produto Cultural.

Mas quem roubou a cena, como sempre, foi Regina Duarte. A atriz também foi uma das convidadas e estava no auge de sua atual fase: divertida, às vezes meio aérea, mas sempre uma figura interessante – como já provaram as redes sociais, que adoram postar vídeos e fotos hilários da veterana atriz.

Regina relembrou os tempos iniciais das novelas da Excelsior, como A Deusa Vencida (1965), sua primeira novela. Ela contou que o maquiador ensinou-a a executar a maquiagem de sua personagem, e que a partir dali ela própria tinha de se maquiar para gravar, diariamente.

Outra história pitoresca da era paleolítica da TV: ao chegar na Globo, para fazer a novela Véu de Noiva (1969/70), a produção não tinha figurinos próprios. “Eu levava minha roupa de casa para usar na novela”, relatou Regina, lembrando que a novela seguinte, Irmãos Coragem (1970/71), já foi diferente. “Aí já tinha figurinista, roupas feitas para a novela”, contou.

Regina também relembrou como migrou da Excelsior para a Globo. Ela fazia a novela Dez Vidas, na Excelsior, e foi assediada pela Globo. Na dúvida se largava ou não a produção da Excelsior (já que a emissora estava falindo e não pagava salário há meses), a atriz caiu de cama.

“Uma noite, doente, eu liguei a televisão e vi que a Leila Diniz já estava fazendo meu personagem na novela! Fiquei morrendo de ciúmes!”, contou Regina. E assim, como Leila já tinha assumido o papel de Regina em Dez Vidas, Regina foi para a Globo e estrelou Véu de Noiva.

Regina falou ainda da novela Os Estranhos (1968), na Excelsior, na qual interpretou uma extraterrestre. “Eu era uma das que chegavam de outro planeta, eu era uma estranha. Hahahaha!”, gargalhou. Mas para quem não sabe, a maior bizarrice dessa novela não era a presença dos ETs, e sim de Pelé – isso mesmo, o então jogador de futebol “atuou” na produção, vivendo um escritor que se comunicava com os tais aliens.

Ao final, Regina se despediu e foi embora um pouco antes do término do evento – a atriz está dirigindo um espetáculo e foi para o ensaio. Esperamos um próximo evento com Regina Duarte!

Sem mais artigos