Catherine Cleary Wolters, a mulher da vida real que inspirou Alex Vause da série Orange is The New Black, revelou à revista estadunidense Vanity Fair que não fez sexo com Piper Kerman na prisão. 

Catherine e Piper foram presas – Catherine por fazer parte de um esquema de tráfico internacional, e Piper por carregar uma mala cheia de dinheiro sujo entre países da Europa.

“Não fizemos sexo na prisão. Nem mesmo um pouco”, declarou. Além disso, ela esclareceu que as duas só ficaram na mesma prisão por cinco semanas, em Chicago, quando foram testemunhas na investigação sobre o líder do esquema de tráfico para o qual Catherine trabalhava. “Éramos fantasmas das pessoas que fomos um dia, vagando entre outras centenas de fantasmas humanos, algemados e acorrentados, passando por aeroportos sob a mira de armas”, contou.

“Rezar é provavelmente a coisa mais íntima que duas pessoas podem fazer em certos lugares, e não sexo”, reflete. “Fizemos algumas refeições juntas”, relembra. “Piper aprendeu a se comunicar através de uma privada, coisa que não se aprende na faculdade”, ironiza.

Assim como na série, elas foram namoradas, mas só se encontraram na prisão dez anos mais tarde, quando Piper estava noiva de um escritor. Depois de cumprir sua pena, Piper Kerman escreveu o livro Orange is the New Black, sobre suas experiências na prisão. A obra, por sua vez, deu origem à série do Netflix. Na ficção, Piper Chapman é vivida por Taylor Schilling, e Alex Vause, por Laura Prepon (That 70’s Show). 

Sem mais artigos