Cenas dos filmes (da esq. para dir.): Arraial do Cabo, A Grande Cidade e Vidas Secas

Em meados dos anos 60, o cineasta Joaquim Pedro de Andrade dirigiu para a TV alemã Canal 2 o documentário Improvisado e Determinado (Improvisiert und Zielbewusst), sobre o Cinema Novo e a produção de longas de cinco diretores do movimento.

Lançado em 1967, o documentário mostra as filmagens de El Justicero e Terra em Transe, de Glauber Rocha, a concepção do roteiro de Garota de Ipanema,de Leon Hirszman e a montagem de Opinião Pública, de Arnaldo Jabor. a dublagem de Todas as Mulheres do Mundo, de Domingos Oliveira, e o lançamento de A Grande Cidade, de Carlos Diegues. 

O documentário abriu a mostra Retrospectiva Cinema Novo, que começa nesta quinta-feira (30), na Cinemateca Brasileira, na zona sul de São Paulo, e vai até 14 de junho, com a exibição de 53 filmes.

O ator José Lewgoy e o câmera Luiz Carlos Barreto em Terra em Transe. As cenas fazem parte do documentário Improvisado e Determinado

Estão na programação filmes que raramente foram exibidos, como os primeiros trabalhos como Pátio, primeiro curta de Glauber Rocha; O poeta do castelo e O mestre dos Apipucos, dois curtas de Joaquim Pedro de Andrade sobre o trabalho de Manoel Bandeira e Gilberto Freyre respectivamente; Arraial do Cabo, obra inaugural de Paulo César Saraceni, dirigido em parceria com o fotógrafo Mário Carneiro; os marcos do cinema baiano Bahia de todos os santos, de Trigueirinho Neto, A grande feira e Tocaia no asfalto, de Roberto Pires.

Além dos filmes, a mostra traz uma exposição com roteiros, desenhos de filmagem e cartazes materiais de imprensa, livros, conjunto de cartas, textos e anotações, além de fotos de cenas marcantes de filmes protagonizados por atores como Antônio Pitanga, Helena Ignez, Anecy Rocha, Norma Bengell, Maurício do Valle, Glauce Rocha, Odete Lara, Paulo José e Hugo Carvana. 

Sobre o Cinema Novo 

O movimento surgiu no final da década de 50 e se consolidou em 1960, quando o então jornalista Glauber Rocha escreveu um artigo para o Suplemento Literário do Jornal do Brasil saudando o nascimento de uma nova geração de cineastas. A crescente eferverscência cultural que começou no teatro, o interesse da nova geração por problemas culturais, sociais e políticos, a fuga do público dos cinemas, o crescimento da oferta de programas na TV ajudam a explicar o contexto em que surgiu o Cinema Novo.

O cinema brasileiro até então estava basicamente limitado ao entretenimento de massa, desprezado pelas elites intelectuais. A chanchada produzida no Rio de Janeiro é o melhor exemplo desses filmes. Em São Paulo, já começava a ser feito um cinema mais sério, onde cineclubes e a Cinemateca tinham papel fundamental na formação dos jovens cinéfilos. A Bahia também exerceu forte influência nessa geração de cineastas sensíveis ao homem brasileiro, seus problemas, dúvidas e incertezas.

Veja na linha do tempo as obras fundamentais que consolidaram o movimento e na galeria a sinopse dos filmes. 

 

RETROSPECTIVA CINEMA NOVO 

De 30 de abril a 14 de junho

CINEMATECA BRASILEIRA
Largo Senador Raul Cardoso, 207
próximo ao Metrô Vila Mariana
Outras informações: (11) 3512-6111 (ramal 215)

Sala Petrobrás 108 lugares
Sala BNDES 214 lugares

EXPOSIÇÃO
Terças e quartas das 10h às 18h
Quintas à domingos das 10h às 21h

GRÁTIS.

Sem mais artigos