Sandra Bullock, que vive uma astronauta de primeira viagem em Gravidade, bateu um papo com astronautas da vida real – em plena órbita – para tirar dúvidas sobre a vida no espaço.

O diretor Alfonso Cuarón revelou que a atriz “telefonou” para Estação Espacial Internacional, que fica na órbita da Terra e é retratada no longa-metragem. “Se estiver de cabeça pra baixo assim, ficaria tonta? Depois de cinco dias em microgravidade, como você se sente?”, disse ele sobre as perguntas de Bullock.

Para o cineasta mexicano, a experiência foi marcante. “Tiramos uma foto da equipe no estúdio e mandamos para a equipe da Estação Espacial. Eles imprimiram a foto e tiraram uma nova foto, com a nossa imagem em frente à Terra vista do espaço. Achamos que era tudo de efeitos especiais”, brincou ele.

Cuarón revelou ainda que acredita que a NASA irá ‘odiar’ seu novo filme. “Eles vão me odiar”, diz. “Eles não vão gostar. Eles ficarão bravos, porque para a NASA não existem desastres no espaço. Na verdade, nós os procuramos primeiro e ficou muito claro que eles não iriam apoiar nada que tivesse mortes no espaço. Mas sou um grande fã da NASA”, explica.

A equipe do filme contou ainda com a consultoria de astronautas veteranos, que visitaram o set de filmagem. “Eles viram pedaços do que estávamos fazendo. Ficaram muito nervosos pelo fato dos personagens não baixarem seus visores escuros para impedir o sol.” Outro incômodo dos veteranos em relação ao filme foi com uma janela instalada na réplica do satélite russo Soyus que não existe na vida real. “‘Eu estive lá em três missões, a janela não existe’, eles diziam.

Sem mais artigos