O cantor Supla esteve no Virgula.Mix desta segunda-feira (19) para divulgar o lançamento de seu novo clipe, Anarquia Lifestyle, mas não deixou de comentar a ação da Polícia Militar nos protestos deste domingo (18), na Avenida Paulista, em São Paulo, que acabou tendo como alvo o ex-senador Eduardo Suplicy, seu pai.

O ex-senador Eduardo Suplicy foi alvo de repressão policial

Facebook/Reprodução O ex-senador Eduardo Suplicy foi alvo de repressão policial

Candidato a vereador, Suplicy participava de uma manifestação contra o governo de Michel Temer, quando avistou uma vendedora ambulante sendo arrastada na avenida por seis PMs homens, que apreenderam sua mercadoria.

O político, que foi secretário de Direitos Humanos do prefeito de São Paulo Fernando Haddad em 2015, desceu do palanque onde estava para intervir, quando foi alvo de golpes de cassetete e spray de pimenta por parte de, ao menos, dois policiais.

“Eu respeito muito a polícia, tenho amigos policiais, mas [eles] têm que saber agir com certa delicadeza, sabe? Não dá pra ficar jogando spray… meu pai tem 75 anos. Independente de ser isso ou aquilo, é o respeito”, disse ele, que criticou o governo estadual pela situação precária da corporação. “Eu estava debatendo isso ontem com o policial e ele disse ‘eu não recebo um aumento de salário há 13 anos'”, afirmou.

Música vs política: 20 grandes álbuns de protesto

A banda irlandesa é um ícone das questões de engajamento, especialmente pela atuação do vocalista pacifista Bono Voz.
Composto durante os anos de chumbo da ditadura militar, no começo dos anos 70, este disco traz Chico falando mais abertamente sobre exílio e os problemas sociais do país.
O Ultraje a Rigor, muito antes de Roger se tornar porta-voz dos antipetistas, já criticava a política brasileira na clássica Inútil.
O Rage Against The Machine trabalha com questões sociais em suas letras.
Os Racionais são ícones da música de protesto e mostram que elas sobreviveram ao fim da ditadura.
M.I.A é um nome atual que inclui questões políticas nas suas músicas,.
O Midnight Oil traz questões ecológicas em suas letras.
Já o Sly and The Family Stone mergulha na questão dos negros e da iguldade racial.
Este disco é um clássico do protesto no Brasil durante a ditadura.
O punk já foi bastante politizado e o The Clash simboliza bem essa corrente.
Os caras do Public Enemy são espécie de Beatles do rap
Show Opinião é outro álbum clássico da luta da MPB contra a ditadura.
O metal também pode falar de temas político, é o que comprova o Megadeth.
Como as bandas punks das antigas, o Green Day alia consciência e distorção.
Álbuns políticos - Plebe Rude
Álbuns políticos - Moby
Álbuns políticos - Ice Cube
Álbuns políticos - Fela Kuti
Álbuns políticos - Erykah Badu
Álbuns políticos - Dead Kennedys

Supla reclama de repressão policial contra Suplicy: "meu pai tem 75 anos"

Sem mais artigos