A nova novela das 19h da Globo, Totalmente Demais, estreia nesta segunda-feira (09/11) trazendo uma trama central bastante familiar.

Eliza (Marina Ruy Barbosa) é uma jovem que vive nas ruas do Rio de Janeiro, e que vende flores em bares e restaurantes para ganhar a vida. Mas ela será descoberta por Arthur (Fábio Assunção), dono da revista Totalmente Demais, que promete transformá-la numa modelo de sucesso. Desnecessário dizer que eles vão se apaixonar.

am-1815

Marina e Fábio em “Totalmente Demais”

Assumidamente, o enredo remete à peça teatral Pigmalião, escrita em 1913 pelo irlandês George Bernard Shaw. O texto narra a história de Eliza Doolittle, mendiga que vende flores nas ruas de Londres, e que é descoberta pelo esnobe professor de fonética Henry Higgins, que decide transformar Eliza numa dama da alta sociedade em apenas 6 meses.

A peça original gerou um musical da Broadway, My Fair Lady, que estreou em 1956 com Julie Andrews vivendo Eliza e Rex Harrison no papel de Higgins. O musical, por sua vez, foi adaptado para o cinema em 1964 (no Brasil virou Minha Bela Dama). Audrey Hepburn viveu Eliza nas telonas e Rex Harrison continuou no papel de Higgins. No Brasil, montagens teatrais do musical tiveram Bibi Ferreira e Paulo Autran (em 1965) e mais recentemente Amanda Acosta e Daniel Boaventura (em 2007).

my-fair-lady

Audrey Hepburn e Rex Harrison no filme “My Fair Lady” (1964)

A trama central da peça Pigmalião, porém, já havia rendido uma novela global: em 1970, a trama Pigmalião 70 foi levada ao ar, também na faixa das 19h. Mas os sexos eram invertidos: Tônia Carrero vivia a milionária que se apaixonava pelo humilde feirante Nando (Sérgio Cardoso) e tentava transformá-lo num cavalheiro.

Por outro lado, esse plot básico tem conexão com outra trama muito conhecida: a história da Gata Borralheira / Cinderela, a humilde moça que é perseguida pelo Príncipe milionário, após ter cativado o galã no baile da corte. Claro que 75% das novelas partem desse mesmo esquema.

site157

Thalía como a “Maria do Bairro”

Basta lembrar as inesquecíveis novelas latinas exibidas no Brasil pelo SBT e Rede TV!: Maria Mercedes (1992), Marimar (1994), Maria do Bairro (1995) e Betty a Feia (1999). Vamos relembrar?

A novela mexicana Maria Mercedes tinha a estrela local Thalía vivendo uma humilde jovem que vende bilhetes de loteria na rua, e se envolve com um jovem milionário, Jorge Luís.

Na sequência, Thalía estrelou Marimar, vivendo uma humilde jovem que vive num povoado de pescadores e trabalha com atividades do ramo, e se envolve com um jovem e rico fazendeiro, Sergio.

Por fim, a trilogia Thalía se encerrou com Maria do Bairro, onde ela era uma humilde jovem catadora de material reciclável em um aterro sanitário, e que se envolve com um jovem rico, Luís Fernando.

betty-a-feia-rede-tv-p6sdm

Com vocês, “Betty, a Feia”

Quanto à novela colombiana Betty a Feia, a sinopse é mais do que conhecida: a feiosa e desinteressante secretária Betty acaba conquistando o coração do patrão, dono de uma empresa de modas. A produção ganhou remakes em inúmeros países, incluindo México e Brasil – por aqui, Gisele Itié viveu Bela, a Feia (2009).

Até Hollywood já bebeu nessa fonte, muitas vezes. Uma Linda Mulher (1990), por exemplo, segue o mesmo plot. O ricaço (Richard Gere) acaba tirando a mocinha (Julia Roberts) das ruas – em vez de florista, ela era prostituta.

pretty-woman-reunion

Richard e Julia: Hollywood entra em cena com “Uma Linda Mulher”

E que tal lembrarmos da novela global Top Model (1989/1990), exibida pela Globo às 19h e reprisada recentemente pelo Canal Viva? Nela, a garota Duda (Malu Mader) vinha de Salvador para o Rio de Janeiro, a fim de se tornar a principal modelo da agência Covery. Mas o dono da agência era o vilão Alex Kundera (Cecil Thiré), que tentava engatar um romance com Duda, por quem se apaixonara, em troca da carreira da moça.

Enfim, seria muito cruel exigir que, a essa altura, em 2015, uma novela conseguisse ser francamente original e inovar em suas tramas. Aliás, em tempos onde o público da TV aberta parece preferir as novelas manjadas de sempre com tramas inofensivas (basta ver o sucesso de Os Dez Mandamentos da Record e Cúmplices de um Resgate do SBT), e com o fracasso de novelas “elaboradas”, inspiradas em séries de TV (como Babilônia e A Regra do Jogo), a opção da Globo por uma novela bem básica é a solução mais segura. Então… que comecem os trabalhos de Totalmente Demais.

As Piores Novelas de Todos os Tempos

Escrita por Glória Perez - logo quem! - e exibida pela TV Manchete, era uma modernização da ópera Carmen, de Georges Bizet. Lucélia Santos vivendo a sensual cigana era duro de engolir. E as cenas em que ela gritava
A TV Manchete tentou continuar o sucesso de seu hit Pantanal e decidiu produzir essa novela bisonha que se passava no Amazonas e tinha duas épocas - 1899 e 1991. Uma confusão de tramas e épocas salpicadas de erotismo soft que deu errado.
Uma novela que não tinha núcleo de ricos, só tinha personagem pobre. Na periferia de São Paulo, o ambiente era de luta livre feminina. E tinha um tarado que andava pelado nas ruas, o
A TV Manchete tentou adaptar o livro de Paulo Coelho. Pelo jeito a energia do mago não rolou: a emissora faliu e a novela terminou da noite pro dia.
Produção ultra brega do SBT, trazia Fábio Jr. como o protagonista, o tal taxista do título. Sônia Braga seria a vilã, mas na última hora desistiu. Sorte dela: a novela era um dramalhão mexicano sofrível.
Uma novelinha trash da Globo no horário das 18h. Era para ser uma série de cinco capítulos e acabou virando novela. De tão trash virou cult e hoje muitos noveleiros cultuam essa obra.
A Record ousou fazer um remake de 25499 Ocupado, com Karina Barum como a telefonista presidiária e Maurício Mattar como o galã que se apaixona pela voz dela...
Uma novela global estrelada por Sandy. A cantora interpretava Cristal, que vive numa comunidade alternativa... Rodrigo Santoro era um vilão chamado Carlos Charles. E alguém entendeu o sotaque de Maitê Proença?
Produção da Record que conseguiu misturar cirurgias plásticas faciais, a máfia japonesa Yazuka, Revolução Russa de 1917...
Nem Fernanda Montenegro conseguiu salvar essa novela confusa que a Globo exibiu às 19h. Ela era Zazá, que pilotava aviões e tinha sete filhos, cada um com problemas. Zazá contrata sete
O SBT produzia essa versão nacional de uma novela mexicana e simplesmente colocava no ar Bárbara Paz no papel duplo de Marisol e Verônica (que era Marisol disfarçada e ninguém percebia!). E o detalhe da cicatriz no rosto da heroína?
Mais uma produção rococó da Globo no horário das 18h. A ideia era narrar fatos ligados à Nossa Senhora Aparecida, mas a novela naufragou. O elenco, liderado por Deborah Secco e Luigi Baricelli, estava perdido. O público fugiu.
Um enorme sucesso da TV Record, ficou no ar por quase dois anos, num total de 483 capítulos em duas fases. Mas nada disso impediu esta novela de ser uma bizarrice inacreditável. O roteiro surreal, os personagens grotescos, os efeitos especiais (meio trash, é claro), tudo levou a novela para um lado cômico. Tinha muita gente que assistia para rir!

Maria do Bairro, Cinderela, Linda Mulher: os ingredientes já conhecidos de "Totalmente Demais"

Sem mais artigos